Redes Profissionais Integrativas – O futuro já começou
Posted by

Redes Profissionais Integrativas – O futuro já começou

 

 

Redes profissionais integrativas são grupos de profissionais (ou em alguns casos clínicas) que fazem negócios juntos, economizam pela força do coletivo, recebem capacitação e orientação em marketing, gestão, finanças etc., e ainda têm gestores contratados para pensar em novas oportunidades de negócios para o grupo.

Quem acompanha um pouco o meu trabalho sabe o quanto prego a importância de se pensar o consultório de modo empresarial, para o bem da odontologia e sustentabilidade da classe nos próximos anos. Prego uma mudança de paradigma conceitual, muitas vezes, visto como utópica por parte dos colegas.

No entanto, tenho a alegria de escrever este artigo para contar (aos que ainda não perceberam) que vem surgindo com toda força no Brasil um novo conceito em negócios de saúde: as redes integrativas. Permitam-me contar um pouco de história para chegar ao tema.

Há tempos, estamos assistindo a um importante fenômeno, que é a aproximação de profissionais entre si com o objetivo de se beneficiarem do que costumo chamar “força do coletivo”. O primeiro passo nessa direção foi a junção de colegas para comprarem materiais de consumo em maior volume e, consequentemente, com preços reduzidos e melhores condições de pagamento. Algumas cooperativas surgiram com esse propósito e, rapidamente, ganharam força e relevância. Também surgiram associações com o objetivo de fazerem negócios em conjunto. Cheguei a auxiliar algumas delas, embora o nível de organização e percepção que tinham quanto ao que estavam fazendo não fosse suficientemente claro para todos que dela participavam. Infelizmente. Mas ainda assim, cresceram, e creio que tenha valido a pena para quem participou e soube aproveitar tais oportunidades. E algo começa a mudar na forma de se praticar o consultório odontológico.

Paralelamente a isso, muitas cidades no País passaram a ter grandes concentrações de clínicas de maior porte e estrutura sendo montadas, não mais por um profissional de modo isolado, mas por um grupo de cirurgiões-dentistas (com ou sem investidores de fora da classe), que apostaram em uma equipe multidisciplinar em termos de negócios, ou seja, contrataram para suas megaclínicas gerentes comerciais, financeiros, administrativos, telemarketing etc. Isso permitiu aos profissionais clínicos exercerem sua atividade com os pacientes com maior liberdade e, ao mesmo tempo, fez com que tais clínicas alcançassem a plenitude de seus potenciais de resultados. Não foram uma ou duas, mas dezenas e mais dezenas de clínicas com esse porte e visão empresarial pelo País. Com isso, novas barreiras estavam sendo quebradas e uma nova forma de pensar estava sendo encubada.

Juntamente com esse movimento, surgiram e ganharam força as franquias, marcas que passaram a se reproduzir em modelo, funcionamento e processos por todo o País. Muitas surgiram, para todos os gostos e formas, embora algumas delas sem a menor condição de ser assim chamada ou de justificar o desejo de querer ter uma. Grandes marcas odontológicas passaram então a fazer parte do nosso dia a dia. As boas franquias são hoje uma excelente oportunidade para aqueles que precisam de apoio administrativo, porém, apresentam algumas barreiras de entrada e ainda certa dose de rejeição por parte da classe. Sem qualquer vínculo com essas empresas, menciono Sorrident’s, Ortoplan, Rede Ortho, Odontoclinic, MCM, Uniorto, entre outras, que foram sendo conhecidas (embora algumas destas já nem mais existam). Redes de clínicas próprias (não franqueadas) também foram aparecendo e ganhando espaço por todo o País, entre as quais a Imbra, certamente, foi a mais conhecida. Observação: os erros de gestão da Imbra, por todos conhecidos, não justificam dizer que o modelo de multiunidades não funcione. Muito pelo contrário.

Além disso, consultorias em gestão e marketing que auxiliam clínicas e profissionais a pensar empresarialmente e a alavancar negócios, como é o caso da Tomaz (minha empresa que atua neste segmento há dez anos), também ampliaram seu espaço graças a uma visão mais ampliada e realista de mercado por parte das classes de profissionais de saúde no Brasil.

Mas agora, de certa forma, como fusão de todos esses modelos mencionados anteriormente, surgem as primeiras redes profissionais integrativas, como eu as batizei. Como o nome sugere, são grupos de profissionais (ou em alguns casos clínicas) que fazem negócios juntos, economizam pela força do coletivo, recebem capacitação (cursos) e orientação (assessoria) em marketing, gestão, finanças etc., e ainda têm um (ou mais) gestor(es) contratado(s) para pensar em novas oportunidades de negócios para o grupo. Há forte interação entre as pessoas, que delas participam, sem contar as muitas vantagens obtidas pelo fato de se estar integrado a uma rede, sem os supostos “riscos” e barreiras que as franquias apresentam.

Uma delas, a FORME Odontologia do Brasil, parece ser a mais consistente em termos de proposta e propósito. Tenho o privilégio de ser um dos idealizadores desse projeto, mas não a menciono aqui com interesse comercial, mas informativo, mesmo porque tenho dito, e reafirmo, que apoiarei outros grupos similares a se formarem pelo País. Será maravilhoso para a classe odontológica brasileira se tal coisa acontecer.

O modelo Forme é este: cada clínica que se integra à rede recebe um projeto mercadológico profundo, com direcionamento e recomendações de gestão e marketing, além de uma avaliação quanto ao padrão de atendimento ao cliente, processos internos, grau de biossegurança, motivação da equipe e muito mais. Neste aspecto, é um selo de qualidade, que é usado junto com o nome e logomarca da clínica, ou seja, sem a necessidade de perder a identidade visual e nome já conquistados e estabelecidos. A rede exige apenas do profissional e da clínica-membro um alto padrão de qualidade em amplo sentido, mas mantém e respeita a personalização de cada unidade e profissional. A marca, que une os participantes da rede, serve para informar à população que tais profissionais possuem alto nível de exigência para nele permanecer, o que afere maior confiabilidade inicial. As estratégias de comunicação são igualmente compartilhadas. O integrado também recebe assessoria em planejamento mercadológico, biossegurança e até suporte técnico clínico, realizado por um board de professores de renome, dando apoio aos casos complexos e difíceis. Mas talvez o principal benefício de participar de uma rede como esta seja o fato de se ter uma equipe altamente profissional de gestores e pensadores de negócio para ajudar a celebrar parcerias importantes em nome do grupo e a desenvolver e implantar ações que beneficiem a todos, sempre com absoluta vigilância quanto à ética e à responsabilidade social.

São muitos os benefícios que não assinalei aqui por falta de espaço (e olha que este texto já está bem longo), mas não podia deixar de informá-los de que isso existe. Realmente, acredito que estamos diante do nascimento de uma verdadeira revolução em termos do futuro de nossa profissão, e estou ansioso por observar quem estará desbravando esse caminho e gravando seu nome nesse renascimento que estamos ajudando a construir.

Plínio A. R. Tomaz é Cirurgião-Dentista, consultor e Diretor da Tomaz Gestão e Marketing, além de autor de diversos livros, entre os quais “Marketing para Dentistas”, “Consultório-Empresa” e “Alcançando o Alvo!!!” www.tomazmkt.com.br   plinio@tomazmkt.com.br  


Comments

0 Comentários desativados em Redes Profissionais Integrativas – O futuro já começou 1322 11 fevereiro, 2013 Gestão da Odontologia, Plínio Tomaz fevereiro 11, 2013
Plínio Tomaz

About the author

Plínio Augusto Rehse Tomaz é Cirurgião-Dentista (USF), Mestre em Bioodontologia (UniB), pós graduado em Marketing (ESPM), Master em Inovação e Empreendedorismo (B.I. International), Especialista em Adm. Hospitalar (IPH) e em Saúde Pública (UNAERP). Cursou Macroeconomia na Columbia University (EUA), Gestão do Relacionamento com Cliente na Harvard Business School (EUA), entre outros. Também possui formação em Coaching e em PNL (Programação Neurolinguística) pela Iluminatta Brasil e em hipnose clássica pelo Instituto Baltresca. É Coordenador e professor do MBA em Gestão de Clínicas Médico-Odontológicas da FASAM e Professor das disciplinas Planejamento Estratégico, Marketing One to One, Marketing de Relacionamento e Fundamentos de Negociação e Vendas, nas pós graduações do B.I. International. Autor dos livros "Marketing para Dentistas", "Marketing para Médicos", "Alcançando o Alvo!!!" e "Consultório-Empresa", além de capítulos em diversos outros livros. plinio@tomazmkt.com.br (11) 3151 3700 (11) 99846 5433

View all articles by Plínio Tomaz

Pesquisa

Cursos

Facebook